domingo, 15 de fevereiro de 2015

Vivendo

Crescer
Autor : Sylvio Bazote

Imagem: caiosalvino.blogspot.com.br

Quando eu crescer quero ser criança!
Quero conservar a capacidade de me encantar com coisas simples, ter disposição para repetir várias vezes algo que me dê prazer e ver a vida com olhos virgens. Lembrar que a sabedoria adquirida com o passar dos anos é boa, mas tem igual importância a disponibilidade em aprender e tentar. Não ter vergonha de chorar quando me magoar ou machucar, nem de rir alto e solto quando sentir alegria. Dançar e cantar quando tiver vontade, do meu jeito e para mim, sem me preocupar com os outros.
Quero conseguir observar com surpresa e interesse renovado as situações e pessoas, tendo o prazer de fazer algo com a sensação de ser novo e enriquecedor. Adaptar-me facilmente e sem preocupações desnecessárias, agindo com a certeza que o local e a hora para ser feliz é agora, onde estou. Continuar a dormir naturalmente, sem a necessidade de remédios, um sono pesado de quem não deve e não teme, que aparece de surpresa e envolve rápido.
Quando eu crescer quero não ter vergonha de mostrar meus desejos, nem constrangimento em receber ajuda. Quero falar com as plantas e os animais como meus iguais, todos seres vivos que merecem respeito e dignidade.
Quero conservar ao máximo a capacidade de ver magia no cotidiano, de viver um dia como se durasse um ano e um ano como se demorasse uma pequena vida. Conservar na memória, no nariz, na língua e na pele sensações que me acompanharão pelo resto da vida, formando um sutil patrimônio que servirá de alicerce para erguer minha segurança e confiança.
*;) piscando
Quando eu crescer quero ser um velho com as qualidades de uma criança! Viver uma vida simples, com o certo e o errado, bom e ruim bem definidos; uma existência preto e branco, sem a zona cinzenta das relatividades e conveniências que confunde e oprime os adultos.
Mas acima de tudo, espero chegar à velhice com os olhos gastos pelo tempo tendo ainda a capacidade de ver bondade em potencial nas pessoas. E mesmo naquelas que, sabendo que não têm atitudes boas, ter a esperança  numa ingênua certeza  que têm bondade em sua essência e bastará uma adequada motivação e ocasião para fazerem o que é correto.
As histórias são mais fáceis de serem contadas e vividas quando se acredita em finais felizes! 

2 comentários:

  1. Sylvinho, então você JÁ é criança, companheiro! Primeiro, porque já cresceu um bocado, corpo e alma. Depois porque, hoje, tá ficando mais velhinho. Agora, essa história de finais felizes, sei não. Tá pensando em deixar o país? Parabéns, pela crônica e pelo aniversário!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...