domingo, 24 de dezembro de 2017

Origem do Natal


Diferentes natais através do tempo e espaço

Roma, século 2, dia 25 de dezembro. A população está em festa, em homenagem ao nascimento daquele que veio para trazer benevolência, sabedoria e solidariedade aos homens. Cultos religiosos celebram o ícone nessa data sagrada. Enquanto isso, as famílias apreciam os presentes trocados e se recuperam de uma comilança.
Mas essa comemoração não é o Natal! Trata-se de uma homenagem à data de "nascimento" do deus persa Mitra, que representa a luz e, ao longo do século 2, tornou-se uma das divindades mais respeitadas entre os romanos. Qualquer semelhança com o feriado cristão não é mera coincidência.

A história do Natal começa, na verdade, pelo menos 7 mil anos antes do nascimento de Jesus. É tão antiga quanto a civilização e tem um motivo prático: celebrar o solstício de inverno, a noite mais longa do ano no hemisfério norte, que acontece no final de dezembro. Dessa madrugada em diante, o sol fica cada vez mais tempo no céu, até o auge do verão. É o ponto de virada das trevas para luz: "surgimento", o "renascimento" do Sol. Num tempo em que o homem deixava de ser um caçador errante e começava a dominar a agricultura, a volta dos dias mais longos significava a certeza de colheitas que garantiriam a sobrevivência durante o inverno no ano seguinte. E isso era motivo de celebração. 
Devido à vital importância para o início do cultivo da agricultura, ao longo da história o dia 25 de dezembro foi celebrado por diversos povos de diferentes maneiras. Na Mesopotâmia, a celebração durava 12 dias. Já os gregos antigos aproveitavam o solstício para cultuar Dionísio, o deus do vinho e das festas, enquanto os egípcios relembravam a passagem do deus Osíris para o mundo dos mortos. Na China, as homenagens eram (e ainda são) para o símbolo do yin-yang, que representa a harmonia da natureza. Os celtas realizavam cerimônia sagrada para marcar a trajetória do sol ao longo do ano.
No Império Romano o solstício de inverno era marcado pela comemoração de Mitra, o deus da luz. O culto a Mitra chegou à Europa aproximadamente no século 4 a.C., quando Alexandre, o Grande, conquistou o Oriente Médio. No intercâmbio cultural promovido pela expansão do Império Macedônico, os gregos trouxeram do Oriente esta tradição, que foi transmitida ao Império Romano, que a disseminou pela Europa, que a disseminou pelo planeta durante a fase do imperialismo europeu no século 19. 

Com os romanos, Mitra ganhou uma celebração exclusiva: o Festival do Sol Invicto. Esse evento passou a fechar a Saturnália, que durava uma semana e servia para homenagear Saturno, senhor da agricultura. O ponto inicial dessa comemoração eram os sacrifícios ao deus. Enquanto isso, as famílias se felicitavam, comiam e trocavam presentes em suas casas. Alguns romanos se entregavam a orgias como parte desta celebração. 
Enquanto isso, a ainda pequena religião do cristianismo ganhava adeptos ao longo do Império Romano. As datas mais importantes para os primeiros seguidores de Jesus só tinham a ver com o martírio dele: a Sexta-Feira Santa (crucificação) e a Páscoa (ressurreição). Os líderes do catolicismo de então achavam que não fazia sentido comemorar o nascimento de um santo ou de um mártir – já que ele só se torna uma coisa ou outra depois de morrer. Não se sabia também, com precisão, a data em que Cristo nasceu (o Novo Testamento não diz nada a respeito). Mas os católicos do Império Romano queriam realizar comemorações pelo solstício, para poder participar de uma tradição de festejos alegres e aumentar a possibilidade de atrair novos adeptos para sua religião. Em 221 d.C., o historiador cristão Sextus Julius Africanus estabeleceu o aniversário de Jesus no dia 25 de dezembro. A Igreja Católica adotou a proposta e, a partir do século 4, quando o cristianismo virou a religião oficial do Império Romano, o Festival do Sol Invicto começou a mudar de homenageado, deslocando o foco do deus romano Mitra para Jesus Cristo. 

Não dá para dizer ao certo como eram os primeiros natais cristãos, mas permaneceram os hábitos romanos da Saturnália, como a troca de presentes e as refeições suntuosas. Ao longo da Idade Média, enquanto missionários espalhavam o cristianismo pela Europa, costumes de outros povos foram mesclados à tradição natalina. O legado mais forte veio do Yule, a festa que os nórdicos (principalmente os germânicos) faziam em homenagem ao solstício. São originadas do Yule a decoração colorida da árvore e das casas, o presunto da ceia e a ideia de um ser sobrenatural que dá presentes para as crianças. Em algumas tradições escandinavas, era (e ainda é) um duende quem cumpre esse papel. Mas essa figura logo ganharia traços mais humanos.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que levou para os três reis magos chegarem até a cidade de Belém e entregarem seus presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Daí o costume das famílias montarem as árvores e outras decorações natalinas 12 dias antes do Natal e desmontá-las 12 dias após, apesar dessa tradição ser progressivamente alterada pelas decorações natalinas cada vez mais precoces, realizadas pelos interesses do comércio.
Civilizações antigas que habitaram os continentes europeu e asiático, no terceiro milênio antes de Cristo, já consideravam as árvores como um símbolo divino. Eles cultivam-nas e realizavam festivais em seu favor. Essas crenças ligavam as árvores a entidades mitológicas, onde as raízes fincadas no solo criavam uma aliança entre a Mãe Terra e os céus, gerando frutos abençoados.
Nas vésperas do solstício de inverno, os povos pagãos da região dos países bálticos (nordeste da Europa) cortavam pinheiros, levavam para seus lares e os enfeitavam. Essa tradição passou aos povos germânicos, que colocavam presentes para as crianças sob o carvalho sagrado de Odin.
Há versões que afirmam que a Árvore de Natal – como a conhecemos atualmente – teria surgido na Alemanha entre os séculos 16 e 17. Durante o século 19 a prática foi levada para outros países europeus e para os Estados Unidos, espalhando-se pela América Latina no século 20. 

São Nicolau de Mira

Pai Natal

Ásia Menor, século 4. Na cidade de Mira (situada na atual Turquia), três moças que viviam numa família miserável começam a se prostituir para sobreviver. Numa noite de inverno, um homem misterioso jogou um pequeno saco cheio de ouro pela janela (alguns dizem que foi pela chaminé) e sumiu. Na noite seguinte, atirou outro; depois, mais outro. Um para cada moça. As jovens usaram o ouro como dotes de casamento – condição obrigatória na época para arranjar um bom marido  e viveram felizes desde então. Tudo graças ao benfeitor que doou os sacos de ouro. O nome dele? Nicolau de Mira, o bispo da cidade. O que falta em registros históricos sobre a vida dele, abunda em lendas. Nascido em 15 de março de 270 d.C. (a data varia conforme a fonte histórica), Nicolau seria um rico que passou a vida dando presentes para os pobres. Histórias sobre a generosidade do bispo, como essa das moças que deixaram a prostituição, ganharam status de mito. Logo atribuíram toda sorte de milagres a ele, ganhando a devoção de uma número cada vez maior de pessoas, principalmente na Rússia, na Grécia e na Noruega. Nos países da Europa, a imagem benevolente do bispo de Mira se fundiu com as tradições do Natal. E ele virou o presenteador oficial da data. Na Grã-Bretanha, passaram a chamá-lo de Father Christmas (Pai Natal). Os franceses usavam a mesma designação de Pai Natal (Pére Nöel), cuja sonoridade deu origem ao nome que usamos no Brasil. Na Holanda, o santo Nicolau teve o nome encurtado para Sinterklaas. E o povo dos Países Baixos levou essa versão para a colônia holandesa de Nova Amsterdã (atual Nova York, nos Estados Unidos) no século 17 – daí a origem sonora do Santa Claus que os estadunidenses adotariam depois.


Natal com origem em festas pagãs

Avareza X Generosidade

Na Londres de 1846, no auge da Revolução Industrial, o rico Ebenezer Scrooge passa sozinho seus natais e deseja que os pobres morram para diminuir o caótico crescimento da população. Então ele recebe a visita de 3 espíritos que representam o Natal, ensinando a ele que essa é a data para esquecer diferenças sociais, abrir o coração, compartilhar riquezas. E o insensível empresário se transforma um homem generoso.
Eis o enredo de Um Conto de Natal, do britânico Charles Dickens. O escritor vivia em uma Londres caótica, suja e superpopulada – o número de habitantes tinha saltado de 1 milhão para 2,3 milhões na 1ª metade do século 19. Dickens, então, carregou nas tintas para evocar o Natal como um momento de redenção contra esse estresse todo, um intervalo de fraternidade em meio à competição do capitalismo industrial. Depois, inúmeros escritores seguiram a mesma linha – o nome original do Tio Patinhas é Uncle Scrooge (algo como Tio Pão-Duro) e a primeira história do pato avarento, feita em 1947, faz paródia a Um Conto de Natal. Tudo isso, consolidou a imagem do "espírito natalino" que conhecemos atualmente como uma época de generosidade.
Outra contribuição da Revolução Industrial aos festejos natalinos foi a produção em massa. Ela aumentou a indústria dos presentes, fez surgir a publicidade natalina e acabou transformando o bispo Nicolau em garoto-propaganda. Até meados do século 19, a imagem mais comum dele era a de um bispo mesmo, com manto vermelho e mitra (aquele chapéu comprido que as autoridades católicas usam). Para se enquadrar no consumismo do capitalismo, em 1862 o desenhista americano Thomas Nast tirou as referências religiosas do figurino, adicionou alguns anos e quilos para conferir simpatia, e estabeleceu a residência dele no Polo Norte – para que não pertencesse a país nenhum. Nascia o Papai Noel atual. Mas a figura do bom velhinho só se tornaria a que conhecemos hoje depois de 1930, quando virou estrela de uma série de anúncios da Coca-Cola. A campanha foi um sucesso tão grande que nas décadas seguintes o bom velhinho se tornou a maior referência do Natal. Mais até que o verdadeiro homenageado da comemoração: o Sol (para os racionalistas) ou Jesus (para os religiosos).

Fonte:
Superinteressante
A verdadeira história do Natal
https://super.abril.com.br/historia/a-verdadeira-historia-do-natal   
Autor: Thiago Minami.
(Texto adaptado)

Natal Cristão & Natal Pagão - Religiosidade X Consumismo

Natal oriental e ocidental 

A expressão "Natal" vem do substantivo latino nativitas (nascimento, geração) e este do adjetivo nativus (o que nasce). A comemoração do nascimento de Jesus foi celebrada pela primeira vez, com o sentido de hoje, em 25 de dezembro de 336, em Roma, poucos anos depois de o cristianismo ser adotado como religião do Império.
Contudo, na época, a capital do Império Romano era Constantinopla, onde até o século 5 a Igreja do Oriente celebrou no dia 6 de janeiro o nascimento e batismo do Filho de Deus. Ao longo dos séculos, as dioceses orientais foram adotando o dia 25 de dezembro como data oficial e deixando o 6 de janeiro para celebrar o batismo de Cristo, com exceção da Igreja Armênia, que até hoje comemora o Natal no primeiro mês do ano.

Fonte:
Istoé
Natal tem origem em tradições mais antigas do que o próprio cristianismo
https://istoe.com.br/natal-tem-origem-em-tradicoes-mais-antigas-do-que-o-cristianismo 

Nascimento de Cristo representado pela Igreja Ortodoxa.
Os ortodoxos focam no fato do nascimento, não no cenário (caracterizado pelo presépio).
Imagem: http://www.igrejaortodoxahispanica.com/Textos/A_Virgem_Maria.html 

Presépio 

Muito antes de adotar a tradição da Árvore de Natal, os cristãos europeus já celebravam a época natalícia com a montagem de presépios. A palavra "presépio" vem do latim praesepe e significa "estábulo", "curral". Foi São Francisco de Assis quem iniciou a tradição do presépio como celebração do natal em 1223, na Itália. Teve tanto sucesso que passou a ser feito por toda a Itália, primeiro nas casas dos nobres até chegar às dos mais pobres. O rei Carlos III (1716 - 1788) levou esta tradição para a Espanha e suas colônias na América Latina, e daí passou a ser tradição nas culturas cristãs.

Fonte:
Maria Helena
O presépio - simbolismo e tradição
http://www.mariahelena.pt/pt/pages/o-presepio---simbolismo-e-tradicao 


A Árvore da Natal

Enfeitar árvores é um ritual muito antigo, presente em praticamente todas as culturas e religiões pagãs, para celebrar a fertilidade da natureza. Os primeiros registros de sua adoção pelo cristianismo vêm do norte da Europa, onde o pinheiro  (árvore cuja folhagem dos galhos resistiam ao frio e à neve) era decorado no começo do século 16 com maças e doces natalinos – apesar de haver fortes indícios que já na Idade Média era hábito enfeitar os pinheiros na época de Natal. 
Desde então as pessoas passaram a montar essas alegorias em suas casas, com árvores cada vez mais decoradas usando velas (simbolizando a luz de Cristo), estrelas (alusão à estrela de Belém) e rosas (em homenagem à Virgem Maria), até hóstias (pedindo perdão pelos pecados). Nos séculos 17 e 18 o hábito se tornou popular entre os povos germânicos, mas a Árvore de Natal só se difundiu pelo planeta a partir de 1848, quando o príncipe Albert (1819-1861) – esposo alemão da rainha Vitória – montou uma árvore natalina no palácio real inglês. Na época, o Império Britânico dominava mais de meio mundo, o que muito contribuiu para que o costume logo se espalhasse por todos os continentes. 

Fonte:
Mundo Estranho
Árvore de Natal
https://mundoestranho.abril.com.br/historia/qual-e-a-origem-da-arvore-de-natal 

Árvore de Natal tradicional - Pinheiro decorado com maças e doces típicos da época natalina

The Illustrated London News - Natal da família real inglesa no Castelo de Windsor (1848)

O Papai Noel da Coca-Cola

Até o final do século 19, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o bom velhinho. A roupa nas cores vermelha e branca e com cinto preto, criada por Nast, foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano.
Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores do refrigerante. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo.

Fonte:
Sua Pesquisa
História do Natal
https://www.suapesquisa.com/historiadonatal.htm 

Pai Natal (Papai Noel) na revista Harper’s Weeklys (1881) pelo cartunista alemão Thomas Nast

Pai Natal com roupa marrom
Imagem: http://universovintage.blogspot.com.br/2011/12/feliz-natal.html 

Pai Natal com roupa verde
Imagem: http://keywordsuggest.org/gallery/194317.html 

Na 1ª propaganda da Coca-Cola (em 1930) com o Papai Noel (ainda usando cinto marrom), 
havia os dizeres 
até o homem mais ocupado do mundo arranja um tempo para se refrescar com Coca-Cola.
Imagem: http://www.coca-colacompany.com/holiday-photos-from-the-coca-cola-archives 

Papai Noel - Campanha publicitária da Coca-Cola (1939)
Imagem: http://comunicadores.info/2008/12/15/coca-cola-christmas-ads-propagandas-antigas 

Para ver uma publicação sobre os símbolos da celebração do Natal, acesse:
Fontes de referência:

Sua Pesquisa
História do Natal
https://www.suapesquisa.com/historiadonatal.htm 

Wikipédia

Saturnália
https://pt.wikipedia.org/wiki/Saturn%C3%A1lia   

Wikipédia

Yule
https://pt.wikipedia.org/wiki/Yule 

Rota da Amizade
São Nicolau
https://rotadaamizade.wordpress.com/tag/sao-nicolau 

A Origem das Coisas
A origem da Árvore de Natal
http://origemdascoisas.com/a-origem-da-arvore-de-natal 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Dia do Voluntário

05 de dezembro - Dia Internacional do Voluntário

Voluntariado

O voluntariado e a Organização das Nações Unidas (ONU)

A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o dia 5 de dezembro como Dia Internacional do Voluntário em 1985. Ao criar a data, a intenção da ONU era promover ações de voluntariado ao redor do mundo nas diversas esferas da sociedade.

Qual o significado de ser voluntário? No Dicionário Houaiss, aprende-se que "voluntário" vem do latim voluntarius e significa "aquele que age por vontade própria", uma vez que voluntas, também em latim, quer dizer "vontade".
Segundo a definição da ONU, "o voluntário é o jovem ou o adulto que, devido a seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividades, organizadas ou não, de bem estar social, ou outros campos..."

Qualquer pessoa pode ser voluntária contribuindo com suas capacidades, energia e tempo. Em muitas atividades e lugares a ajuda não necessita vir de um diploma ou formação profissional. Basta empatia e uma mão amiga pra começar mudanças, ajudando aos outros.
Trata-se de uma atividade que gera a oportunidade de fazer amigos, viver novas experiências e conhecer outras realidades. O voluntário doa seu trabalho, mas ganha em troca contato humano, convivência com pessoas diferentes, oportunidade de aprender coisas novas e a satisfação de se sentir útil.

5 de dezembro - Dia Internacional do Voluntariado

28 de agosto – Dia Nacional do Voluntário

Instituído pela Lei nº. 7.352, de 28 de agosto de 1985, o Dia Nacional do Voluntariado, tornou-se uma data especial ao reconhecer e destacar o trabalho de pessoas, que motivadas por valores de participação e solidariedade, doam seu tempo, trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada para causas de interesse social e comunitário.
A partir de então, o dia 28 de agosto é celebrado anualmente com atividades empreendidas por organizações não governamentais, ações de grupos reunidos espontaneamente ou atos individuais em prol da melhoria das condições de vida de comunidades, pessoas, animais ou certos vegetais.
No Brasil o movimento é antigo, teve início em 1543, quando foi fundada a primeira Santa Casa de Misericórdia, na Vila de Santos. Nessa época, a noção de voluntariado estava bastante ligada à religião; as atividades eram conduzidas por padres e freiras. A partir dos anos 1980, o voluntariado ganhou popularidade.

28 de agosto - Dia Nacional do Voluntariado

Existem muitas organizações que contam com trabalho voluntário! Cito aqui algumas:

Cruz Vermelha & Crescente Vermelho
A Cruz Vermelha (no Ocidente) e o Crescente Vermelho (no Oriente) são movimentos internacionais humanitários, neutros e imparciais, não vinculado a qualquer Estado, com aproximadamente 97 milhões de voluntários espalhados pelo mundo. Seu objetivo é proteger a vida e a saúde humana, prevenir e aliviar o sofrimento humano, sem discriminação de nacionalidade, raça, sexo, religião, classe social ou posicionamento político.

Lions Club
Lions Clubs International é uma das maiores organizações internacionais de clubes de serviço do mundo, voltada para serviços humanitários. São aproximadamente 1,4 milhão de homens e mulheres realizando exames de vista e de saúde, construindo parques, apoiando hospitais oftalmológicos, concedendo bolsas de estudo, auxiliando jovens, distribuindo cestas básicas, dando apoio a entidades filantrópicas, fornecendo ajuda em momentos de catástrofes e outras atividades.

Rotary Club
O Rotary International é a associação de Rotary Clubs no mundo inteiro. O Rotary é uma organização de líderes de negócios e profissionais que prestam serviços humanitários e incentivam um elevado padrão de ética em todas as profissões.
Sua missão é apoiar as atividades de indivíduos e grupos prestadores de serviços que melhorem a qualidade de vida, mantenham a dignidade humana e promovam a compreensão e paz mundial.

Médicos sem Fronteiras
Médicos sem Fronteiras é uma organização internacional, não governamental e sem fins lucrativos que oferece ajuda médica e humanitária a populações em situações de emergência, em casos como conflitos armados, catástrofes, epidemias, fome e exclusão social. É a maior organização não governamental de ajuda humanitária do mundo na área da saúde.
Desenvolve ações de longo prazo na ajuda a refugiados, em casos de conflitos prolongados, instabilidade crônica ou após a ocorrência de catástrofes naturais ou provocadas pela ação humana. A organização foi criada com a ideia de que todas as pessoas têm direito a tratamento médico, e que essa necessidade é mais importante do que as fronteiras nacionais.

GreenPeace
O Greenpeace é uma organização não governamental de proteção ambiental, com sede em Amsterdã (nos Países Baixos) e com escritórios espalhados em mais de 40 países.
Atua buscando sensibilizar a opinião pública através de atos, campanhas publicitárias e outros meios em questões relacionadas à preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável, dedicando-se às áreas florestais, oceanos, clima, engenharia genética, substâncias tóxicas, transgênicos e energia nuclear ou renovável.

Ação voluntária

“Eu sou voluntário porque quero um mundo melhor, e sei que só podemos alcançá-lo juntos”
(  Flávio Lopes Ribeiro - Psicólogo )

Fontes de referência:

UOL Educação
05 de dezembro – Dia Internacional do Voluntário

Ajudando.Org
Ação voluntária amplia cidadania

Wikipédia
Trabalho voluntário

sábado, 25 de novembro de 2017

Encontros & Despedidas

Uma bela metáfora sobre a transitoriedade da vida e da necessidade de percebermos e aproveitarmos as pessoas e coisas que estão conosco.


Música de Milton Nascimento e Fernando Brant 
( Disco "Encontros e Despedidas" - 1985 ) 

Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero

Todos os dias é um vai e vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir
São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida...

Todos os dias é um vai e vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir
São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida...

É a vida desse meu lugar

domingo, 12 de novembro de 2017

Comenda da Liberdade e Cidadania

Dia da Liberdade - 12 de novembro


Medalha Comenda da Liberdade e Cidadania

12 de novembro - Dia do nascimento do Tiradentes

O Dia da Liberdade ou Dia Nacional da Liberdade foi instituído no Brasil através da Lei nº 13.117, de 7 de maio de 2015. A data já era comemorada nos estados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.
O Dia Nacional da Liberdade remete à data do batismo de Joaquim José da Silva Xavier, o "Tiradentes" (12 de novembro de 1746).

Comemorada em âmbito nacional no Brasil, a data de 21 de abril é conhecida como "Dia de Tiradentes" em referência à data da morte do mártir da inconfidência Mineira, com seu enforcamento, decapitação e  esquartejamento do seu corpo, prática destinada pelos portugueses aos criminosos da época que devessem servir de exemplo de intimidação para a população.

Em 9 de dezembro 1965, foi sancionada a Lei nº 4.897 instituindo o dia da morte do Tiradentes como feriado nacional. Desde então, Ouro Preto se torna no dia 21 de abril a capital simbólica de Minas Gerais, havendo a entrega da Medalha da Inconfidência, criada em 1952 e considerada a maior comenda concedida a personalidades e entidades que contribuíram ou contribuem para o desenvolvimento de Minas Gerais ou do Brasil.
Um grupo de brasileiros, acreditando ser necessário valorizar a data de nascimento de Tiradentes, e não só a de sua morte, organizou um movimento visando ao reconhecimento do dia 12 de novembro como "Dia Nacional da Liberdade".

Numa retrospectiva histórica, o governo do estado do Rio de Janeiro teve o pioneirismo de promover a criação do "Dia da Liberdade", por meio da Lei Estadual nº 5.625, de 22 de dezembro de 2009, através do Instituto Cultural Visconde do Rio Preto e da Academia Valenciana de Letras, ambas instituições da cidade carioca de Valença.
Em seguida, por instância da Academia de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei junto ao Poder Público das cidades de São João del-Rei (terra natal do Tiradentes), Ritápolis e Tiradentes, foi criado o "Dia da Liberdade" nesses três municípios, passando a serem reconhecidos como "Triângulo da Liberdade" em Minas Gerais.
Em São João del-Rei a criação da data se deu por meio da Lei Municipal 4.418, de 24 de março de 2010; em Tiradentes pela Lei Municipal 2.559, de 19 de agosto de 2010 e em Ritápolis a celebração foi criada pela Lei Municipal 1.178, de 2 de setembro de 2010.

Em 2011, os prefeitos dessas três cidades assinaram o Decreto Conjunto nº 001/2011, aprovando em solenidade conjunta o regulamento da medalha "Comenda da Liberdade e Cidadania", destinada a condecorar cidadãos mineiros, brasileiros e estrangeiros, que se destacam ou destacaram em prol do incentivo, apoio e divulgação das atividades relacionadas à liberdade, à cidadania, à responsabilidade social, à cultura, à preservação ecológica e ambiental, à história, ao civismo e ao desenvolvimento sócio-econômico, turístico e cultural da região do Rio das Mortes em Minas Gerais, engrandecendo e dignificando os três Municípios, Minas Gerais e o Brasil (Artigo 1º do Decreto Conjunto nº 001/2011). No artigo 3º lê-se que a cada ano, a coordenação caberá a uma das três municipalidades ora signatárias que ainda se responsabilizará pela realização de eventos cívico-culturais na Semana da Liberdade, cujo tema precípuo será o 12 de novembro. O parágrafo único do Art. 3º ainda estabelece que a sequência das cidades que sediarão os eventos, a partir do primeiro evento a ocorrer em 2011, será São João del-Rei, Tiradentes e Ritápolis, e assim por diante; facultando-se que, de forma unânime, ocorra ajuste no sentido de alterar essa sequência. 

A seguir, no âmbito do Estado de Minas Gerais, foi instituído o "Dia da Liberdade" a ser comemorado, anualmente no  dia 12 de novembro, através da Lei nº 19.439, de 11 de janeiro de 2011.
Coroando os esforços pioneiros dos Estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, bem como dos Municípios do "Triângulo da Liberdade", a Lei Federal 13.117, de 7 de maio de 2015, instituiu a data de 12 de novembro o "Dia Nacional da Liberdade", a ser comemorado em todo o território nacional.

Fonte:
São João del-Rei Blog
Dia Nacional da Liberdade comemorado em São João del-Rei em 12/11/2016.

Medalhas da Comenda da Liberdade e Cidadania
Solenidade na Fazenda do Pombal (MG) - 13 de novembro de 2011
Foto: Mayra Melo
Imagem: http://saojoaodelreitransparente.com.br/works/view/991 

A Comenda da Liberdade e Cidadania 

A Comenda da Liberdade e Cidadania foi instituída e regulamentada pelo Decreto Conjunto nº 001/2011 dos municípios de São João del-Rei, Tiradentes e Ritápolis. O documento cria também o Conselho da Medalha, que escolherá as pessoas e entidades para serão agraciadas.

As prefeituras destes três municípios, em reunião onde compareceram os respectivos presidentes das Câmaras Municipais, e tendo em conta o que dispõe as correspondentes Leis Municipais nº 1.217 de 1º de setembro de 2011, Lei 4.651 de 29 de agosto de 2011 e Lei 2.614 de 18 de agosto de 2011, irmanam os três municípios em relação às comemorações cívicas do "Dia da Liberdade" na Fazenda do Pombal, local onde nasceu Joaquim José da Silva Xavier, o "Tiradentes".

A "Medalha Comenda da Liberdade e Cidadania" destina-se a condecorar cidadãos mineiros, brasileiros e estrangeiros que se destacam em prol do incentivo, apoio e divulgação das atividades relacionadas à liberdade, à cidadania, à responsabilidade social, à cultura, à preservação ecológica e ambiental, à história, ao civismo e ao desenvolvimento sócio-econômico, turístico e cultural da Região do Rio das Mortes em Minas Gerais, engrandecendo e dignificando os municípios signatários, o estado de Minas Gerais e o Brasil.

A Comenda será entregue anualmente, no mês de novembro, na Fazenda do Pombal, em cerimônia cívica.

Fonte:
Site oficial da Comenda da Liberdade e Cidadania
A Comenda

Comenda da Liberdade e Cidadania
( e Botão de Lapela )

Diferença entre medalha e comenda

Medalha é um termo abrangente que indica a concessão de uma condecoração ou prêmio por serviços prestados ao governo (Forças Armadas, forças policiais ou governos estaduais), por uma organização pública ou privada reconhecendo realizações em áreas específicas (como o Nobel) ou para os primeiros colocados em competições esportivas (em geral, medalhas de ouro, prata e bronze).

Comenda era um benefício e uma honra antigamente concedida a eclesiásticos e cavaleiros de ordens militares. No passado, o título de comenda era concedida juntamente com uma porção de terra, doada oficialmente como recompensa por serviços prestados, ficando o beneficiado com a obrigação de defendê-la de malfeitores e inimigos. O detentor de uma comenda é chamado comendador.
Desde o século XIX o liberalismo extinguiu essas ordens religiosas e esta distinção honorífica é dada a personalidades que, de algum modo, contribuem para o engrandecimento da sociedade, seja por seus trabalhos ou influência social, política ou econômica.

Fontes:

Wikipédia
Medalha

Wikipédia
Comenda

Comenda da Liberdade e Cidadania
( Ruínas da Fazenda do Pombal )

Vídeos:

Cerimônia de entrega da Comenda da Liberdade e Cidadania
Fazenda do Pombal (2014)
(6:02) 

Entrega da Comenda da Liberdade e Cidadania
Fazenda do Pombal (2012)
(2:06)

O Dia da Liberdade
1ª Solenidade de entrega da Comenda da Liberdade e Cidadania (13 Nov 2011)
(18:21)


Comenda da Liberdade e Cidadania
( Homenagem ao nascimento de Tiradentes )
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...